sábado, 14 de agosto de 2010

no escondido do dia, surpresas - Nárnia chilena...

Adoro entrar em lugares nao permitidos, tirar fotos, xeretar, olhar pelas janelas e conversar com estranhos, desde que sintonize com a aura da pessoa, se isso rolar, puxo conversa numa boa, mas às vezes, encontro pessoas que também são assim. Em Santiago, nesse dia não foi diferente... me preparei pra sair e ao chegar no povoado a que visitei, percebi ao fundo um modestíssimo museu, mais pra duas salas de exposição do que para museu, mas ao centro dessa sala havia uma saída pra um corredor e mais ao centro desse corredor uma porta pra um jardim...
Cuidadosamente abri a porta de vidro e fui entrando...
Não... não era Nárnia, se bem que o clima frio até lembrava e muito as primeiras incursões da pequena ao mundo encantando, mas era um jardim. Um clima frio de inverno definitivamente fazia questão de me manter encolhida, olhava tudo e com a máquina a postos fotografei algumas das belíssimas plantas que ali estavam. Bonsais!
Percebi que dentro da casa havia um senhor, não ligou muito pra minha presença, mas fotografei o que pude e que senti que deveria registrar e já ia de saída, quando resolvi falar com o senhor que ali dentro se aquecia junto ao um aquecedor antigo (antigo mesmo) e uma xícara de chá. Estava em pé, debruçado sobre uns papéis numa mesa muito velha, mas ainda útil, dessas mesas que contam histórias de suas marcas e assentamentos de cotovelos sobre ela, de madeira muito escura, quase que podia sentir as histórias, mas preferi me ater à observar o senhor e perguntar à ele de quem era o jardim.
Ele se virou, me olhou atentamente e num sorriso simpático resolveu me explicar e foi assim que passei à quase uma hora inteira de boa conversa com o Senhor Sérgio. Falante, bem humorado e muito educado, me conduziu até a área externa, explicando cada mini árvore e sobre as raridades ali existentes, plantas de muitos anos, e que imagina que ainda farão muitos felizes por suas belas presenças, algumas premiadas e outras ainda em botão, a maioria sem folhagem, o inverno é rigoroso aqui, mas mesmo assim com linhas elegantes e harmonicas. O jardim extremamente bem cuidado era dele e da família.

No fundo uma porta se abre e me mostra o berçário dos bonsais!!! Inacreditáveis mudinhas de meses, anos e muitos anos, algo emocionante.

Terminamos nossa conversa, entramos para o longo corredor e seu calor agradável. Me estendeu a mão, educadíssimo, lembra aos antigos lordes. Agradeci pela conversa, elogiou o meu espanhol, me perguntou algumas coisas sobre como fui parar ali, acabamos rindo, pois ele disse que é raro alguém que entre no museu e que ainda mais vá até o fundo pra ver as plantas, isso feito aumentou o calor do aquecedor e me perguntou se eu voltaria.


Tentei pensar, mas a resposta saiu antes de que ue pudesse elaborar o pensamento: _ Mas é claro que volto! Sorrimos.

Me estendeu um cartão de visitas muito moderno e convidou a mim e ao Ricardo que também  faz bonsais para  na próxima visita irmos tomar um chá com ele. Disse que seria um prazer e que o convidaria sim. Atravessei a porta para o museu, revi algumas das obras expostas e preenchida, caminhei pela avenida e retomei a volta para o hotel, lembrando do dia e do jardim mágico.

Mas eu tenho um receio... quando eu voltar lá, será que o jardim vai estar??

Porque Nárnia só aparece de tempos em tempos...

De Chile, Elaine

4 comentários:

Adélia Nicolete disse...

Hummm... isso ta me cheirando a sonho... hehehe
Bendita curiosidade, hein, Lan? É ela que nos leva aos tesouros...

Elaine P Bombicini disse...

pura e indelével...sublime e evocadora...
a curiosidade abre o caminho para nossas necessidades mais profundas e quem temos ciência...
beijos e obrigado por passar!

Adélia Nicolete disse...

Voltei pra dizer que seu post ficou martelando na minha memoria. Agora sei por que: lembrei do começo da historia sem fim! Lembra? So faltavam os alfarrabios - mas ele tinha papeis, entao tudo bem.

VILMA PIVA disse...

Elaine, seu relato nos deixa de frente com a magia desse belo jardim, pois algo encantado brotou dessa tua curiosidade, atravessou caminhos e chegou até nós.....Belo registro! Bjs.